Artigos técnicosGrãos

Principais doenças do Algodoeiro

Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras

Autora

Letícia Ane Sizuki Nociti Dezem
Doutora em Produção Vegetal e professora da FEB e FAFRAM
leticianociti@gmail.com

Crédito: Shutterstock

As condições climáticas do Cerrado brasileiro são, de modo geral, favoráveis ao desenvolvimento de várias doenças que afetam a cultura do algodoeiro. Além disso, algumas práticas de cultivo podem favorecer, enquanto outras podem reduzir a ocorrência ou o dano de determinadas doenças.

Um dos grandes desafios na cultura do algodoeiro é a correta identificação dos sintomas das principais doenças e pragas que incidem sobre a cultura. Nesse caso, o monitoramento da lavoura deve ser feito por técnicos (monitores de campo) rigorosamente treinados para identificar e quantificar corretamente as doenças e as pragas.

Mancha alvo ou mancha de corinéspora

A mancha alvo ou mancha de corinespora é causada pelo fungo Corynespora cassiicola. Sua disseminação ocorre por respingos de chuva e restos de cultura. As condições favoráveis para ocorrência são temperatura de 18ºC e 21ºC e alta umidade.

Os sintomas iniciais da mancha alvo no algodoeiro são pequenos pontos circulares de coloração arroxeada nas folhas. Com a evolução da doença, esses pontos tornam-se manchas de formato arredondado ou irregular, com bordas marrom-escuras e centro marrom-claro, variando em tamanho de 2,0 a 20 mm. As lesões, quando completamente desenvolvidas, podem apresentar anéis concêntricos e, quando a infecção é alta, as folhas caem prematuramente.

Pouco se sabe a respeito do controle desta doença na cultura do algodão. Em um primeiro instante é importante que seja realizado o monitoramento para identificar quais talhões e propriedades apresentam a incidência da doença no algodoeiro e ao mesmo tempo identificar seu comportamento de evolução.

Este é um conteúdo restrito para assinantes.
Se você é um usuário registrado, por favor, entre no site.

Login de Usuários
   
Etiquetas
Mostrar mais