HortifrútiNotícias

Lançamento – Primeiro porta-enxerto para goiabeira resistente ao nematoide

Congresso Brasileiro do Algodão
Crédito Embrapa Semiárido

Após quase 10 anos de pesquisa, a Embrapa disponibiliza a primeira tecnologia altamente eficiente para o controle do nematoide-das-galhas, que é, atualmente, o principal desafio da cultura da goiaba no País.

A cultivar BRS Guaraçá é uma planta híbrida, que mistura características de goiabeira e araçazeiro, para ser utilizada como porta-enxerto. De acordo com o pesquisador da Embrapa Semiárido, Carlos Antônio Fernandes Santos, a tecnologia é a melhor opção para o enfrentamento da nematose da goiabeira, pois tem demonstrado resistência ao patógeno e alta compatibilidade com as mais importantes variedades comerciais.

A origem

Até o momento, as estratégias buscadas pelos grupos de pesquisa de diversos lugares do País para a solução deste grave problema fitossanitário envolviam métodos de controle biológico, manejo integrado e aplicação de inseticidas, apresentando resultados limitados ou ineficientes. Também foi testado o uso do araçazeiro como porta-enxerto, porém, com baixa compatibilidade às cultivares de goiabeira.

O grupo de pesquisadores da Embrapa Semiárido, formado também por José Mauro da Cunha e Castro e José Egídio Flori, decidiu, então, investir em um estudo pioneiro para a obtenção de híbridos que reunissem a resistência ao nematoide, característica do araçazeiro (Psidium guineense), e a compatibilidade com as variedades comerciais conferida pela goiabeira (P. guajava).

O híbrido resultante desse cruzamento possui 50% do genoma de goiabeira, minimizando a incompatibilidade com as cultivares copa, entre as quais o baixo porte do araçazeiro. “A BRS Guaraçá apresenta planta de grande vigor, o que a torna ideal para ser usada como porta-enxerto”, explica Carlos Antônio.

Avaliações

Nos testes realizados no Campo Experimental de Bebedouro, da Embrapa Semiárido (Petrolina-PE), a BRS Guaraçá apresentou completa ausência do nematoide em sua fase infectiva, após cinco anos do transplantio, e mesmo na presença endêmica do patógeno no solo.

Já em áreas de produtores, os estudos identificaram, nas plantas pé franco, um número 500 vezes maior do nematoide, em comparação com o híbrido.

Nas avaliações do enxerto da BRS Guaraçá com as principais variedades comerciais de goiabeira – “Paluma” e “Pedro Sato” –, não foram observadas exsudações, rachaduras no caule das plantas enxertadas ou diferenças de diâmetro no local da enxertia, indicando a sua compatibilidade.

As cultivares enxertadas apresentaram produção em torno de 40 toneladas de frutas por hectare, em colheitas realizadas 30 meses após o transplantio, e altura das plantas superior a dois metros.

Como obter

A Embrapa está atualmente em fase de licenciamento e disponibilização do material para os viveiristas contratados, por meio de edital, para comercialização da cultivar BRS Guaraçá.

A lista e os contatos dos licenciados, bem como outras informações sobre o porta-enxerto, estão disponíveis em https://www.embrapa.br/semiarido/busca-de-solucoes-tecnologicas/-/produto-servico/4721/brs-guaraca—porta-enxerto-de-goiabeira-resistente-ao-nematoide-meloidogyne-enterolobii.

Etiquetas
Mostrar mais