Artigos técnicosHortifrúti

Fertilizantes organominerais seus Mitos e verdades

Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras

Autores

Regina Maria Quintão Lana
Professora de Fertilidade e Nutrição de Plantas – Universidade Federal de Uberlândia (UFU)
Mara Lúcia Martins Magela
Danyela Cristina Marques Pires
Vinícius William Borges Rodrigues
Doutorandos em Agronomia – UFU

1. A simples mistura entre matéria orgânica e fertilizantes minerais resulta em um fertilizante organomineral. MITO

De acordo com a Instrução Normativa nº 25, de 23 de julho de 2009, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), fertilizante organomineral é a mistura física ou combinação de fertilizantes minerais e orgânicos. Os fertilizantes organominerais devem respeitar especificações e garantias exigidas pelo MAPA, sendo que para produtos sólidos são estabelecidos os seguintes parâmetros: mínimo de 8% de carbono orgânico, máximo de 30% de umidade, capacidade de troca de cátions (CTC) mínima de 80 mmolc kg-1 e no mínimo 10% de macronutrientes declarados para os produtos com macronutrientes primários.

Para produtos fluidos, as especificações são: mínimo de 3% de carbono orgânico e no mínimo 3% dos macronutrientes primários declarados para os produtos com macronutrientes primários.

2. Todos os fertilizantes organominerais sólidos são iguais. MITO

Atualmente, existem diferentes tipos de fertilizantes organominerais disponíveis no mercado. Esse setor teve início com a elaboração dos fertilizantes organominerais farelados, que são obtidos a partir da mistura física de fertilizantes minerais e matéria orgânica após passarem pelos processos de compostagem e moagem.

Este organomineral tem sido muito recomendado para a cultura do café com aplicação a lanço e em área total. Entretanto, com o intuito de ampliar o mercado e aplicabilidade para outras culturas, passou-se a processar a matéria orgânica na forma de grânulo ou pellet para que pudesse ser misturada junto aos grânulos dos fertilizantes minerais.

Assim, foram obtidos os fertilizantes organominerais com mistura de grânulos, quando a matéria orgânica é granulada, e os fertilizantes organominerais com mistura de grânulos minerais e matéria orgânica peletizada.

Como uma última forma de especialização dos organominerais, passou-se a trabalhar na elaboração destes fertilizantes de maneira mais tecnológica. Para isso, após os processos de moagem e mistura das fontes minerais e da matriz orgânica, realizaram-se processos de granulação ou peletização, resultando nos fertilizantes organominerais granulados e fertilizantes organominerais peletizados, em que ambos possuem fertilizantes minerais e orgânicos em seus grânulos ou pellets.

Além dos critérios estabelecidos pela Instrução Normativa nº 25, a Instrução Normativa nº 46, de 22 de novembro de 2016 (MAPA, 2016), estabelece que os fertilizantes organominerais granulados e peletizados devem atender as especificações quanto a sua natureza física, como por exemplo garantia granulométrica.

Desta forma, a legislação assegura que como requisito mínimo para garantia da qualidade do fertilizante oganomineral em grânulos, o máximo de partículas passantes a 1 mm é de 5%, ou seja, teor máximo para finos.

As fábricas de fertilizantes organominerais menos especializadas produzem principalmente os fertilizantes organominerais farelados, pois seu processo de elaboração é mais simples. Esses fabricantes trabalham com fontes de nutrientes que não apresentam grandes possibilidades de perdas durante o processo de elaboração do organomineral, a exemplo de fontes fosfatadas, que podem ser trabalhadas em maior umidade por não terem perdas por volatilização, como acontece com as fontes nitrogenadas.

Os fertilizantes organominerais granulados ou peletizados são fornecidos por empresas de organominerais mais especializadas, que conseguem processar as fontes minerais e orgânicas de forma mais variada, permitindo inclusive trabalhar com fontes nitrogenadas que exigem maior nível de tecnologia quanto às etapas de formulação.

Dessa forma, nota-se que as inovações tecnológicas para o organomineral estão além da simples mistura das fontes minerais e orgânicas. No mercado existem diferentes tipos de fertilizantes organominerais disponibilizados por muitas empresas que se diferenciam pelo grau de tecnologia, principalmente no que se refere à peletização.

Este é um conteúdo restrito para assinantes.
Se você é um usuário registrado, por favor, entre no site.

Login de Usuários
   
Etiquetas
Mostrar mais