Eventos do Agronegócio

Detonator® – Lançamento da Oro Agri também será exportado para todo o mundo

Congresso Brasileiro do Algodão
Crédito Adrielle Teodoro

Evento realizado pela primeira vez no País oferece soluções para combater plantas daninhas de difícil controle, que causam prejuízos na ordem de US$ 9 bilhões apenas nas lavouras brasileiras

A América Latina possui 57 milhões de hectares cultivados com soja, milho e trigo, entre outras grandes culturas, sendo apontada pela FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) como celeiro do mundo. Isso porque é uma das poucas regiões com condições de elevar substancialmente a produtividade agrícola e pecuária até 2050, quando a população mundial deverá aumentar de 7 para 9 bilhões de pessoas.

Entretanto, a produção de alimentos vem sendo ameaçada por um inimigo comum a todos os países sul-americanos: as plantas daninhas de difícil controle (PDDC), assim chamadas por serem resistentes à aplicação de herbicidas sistêmicos, o manejo mais utilizado atualmente. Dados recentes divulgados pela Embrapa Milho e Sorgo apontam que somente no Brasil quase metade das lavouras já estão comprometidas.

Os prejuízos são assombrosos, pois cerca de US$ 7 bilhões/ano são gastos com o manejo de plantas daninhas resistentes. O número sobe para US$ 9 bilhões quando se computam as perdas registradas pela baixa produtividade das lavouras afetadas, devido à competição por água, luz e nutrientes. É exatamente este cenário desafiador que trouxe para o Brasil um evento inédito dedicado exclusivamente ao tema, o Simpósio América Latina de Plantas Daninhas de Difícil Controle (Simal).

Plantas daninhas em foco

O Simal estreou no Brasil no dia 6 de junho, no espaço Villa Planalto, localizado na cidade de Londrina (PR), tendo a primeira edição do evento acontecido no Paraguai. O objetivo é um só: municiar os produtores rurais com informações relevantes sobre o manejo correto e tecnologias para vencer as PDDC.

No Brasil, o Simal foi palco do lançamento de uma nova tecnologia que será o divisor de águas no controle de PDDC. Batizado de Detonator® e desenvolvido pela unidade brasileira da Oro Agri após anos de pesquisas, o produto é um surfactante específico para herbicidas sistêmicos.

“Em todos os testes realizados, o rebrote das principais espécies de PDDC ficou próximo a zero, ou seja, praticamente foi eliminado. Isso porque Detonator® é um surfactante de última geração, específico para dessecações pré-plantio, visando o controle das plantas daninhas de difícil controle. Este é um produto que vai mudar para melhor a performance dos herbicidas sistêmicos e garantir melhor eficiência no manejo. Assim, posso dizer que Detonator® chega para mudar o conceito de manejo estratégico das ervas de difícil controle, como buva, amargoso, trapoeraba e outras”, explica Jeferson Philippsen, gerente de produtos da Oro Agri.

Detonator® é baseado em uma tecnologia chamada PowerStrain™, que ativa o processo de translocação de seiva transportando os herbicidas sistêmicos mais rapidamente e diretamente ao sítio de ação, o que melhora o controle de forma significativa. O novo produto também dispensa a utilização de qualquer outro óleo ou adjuvante, redutor de pH ou antideriva. Trata-se, sem dúvida, de algo novo no mercado.

Resultados

A Oro Agri tem trabalhos realizados tanto por instituições de pesquisa quanto em lavouras de produtores e clientes em todo o Brasil, demonstrando resultados surpreendentes. “Quem visita os campos demonstrativos fica espantado com os efeitos do produto associado aos herbicidas sistêmicos quanto ao controle de plantas daninhas, o que vem trazendo confiabilidade e estabilidade de resultados nunca antes vistos em campo”, orgulha-se Fernando de Pieri Prando, gerente nacional de vendas da Oro Agri.

Entre as principais PDDC encontradas no Brasil estão a buva (Conyza spp), capim-amargoso (Digitaria insularis), capim pé-de-galinha (Eleusine indica), erva-quente (Spermacoce latifólia) e trapoeraba, com destaque para Commelina diffusa, Commelina erecta e Commelina villosa, cuja infestação encontra-se generalizada nacionalmente.

Resultados de campo

Loivo Clima é produtor de soja, trigo e milho há mais de 20 anos, e hoje enfrenta dificuldades para controlar as ervas daninhas, responsáveis pelos prejuízos gerados pelo controle ineficiente dos produtos que utilizava.

Quando soube do novo produto Detonator®, foi visitar as áreas experimentais para ver de perto a ação apresentada, e se surpreendeu. “O controle das plantas daninhas no campo demonstrativo foi excepcional. Vejo que esse produto é a solução para minha lavoura, e vai realmente fazer a diferença. Estávamos precisando de uma solução verdadeira para o controle dessas plantas daninhas”.

Custo-benefício

Dentro ou fora do Brasil, as PDDC são motivo de preocupação entre os produtores rurais. Isso porque o nível de resistência aos herbicidas sistêmicos, o método mais utilizado atualmente, chegou a níveis críticos.

Os órgãos de pesquisa estimam que os gastos com controle das infestações vão duplicar nos próximos anos. Hoje, o gasto médio de controle de plantas daninhas é de R$ 250,00 a R$ 400,00 por hectare, o que equivale a cerca de 4 sacas de soja por hectare/ano, o que é muito elevado. Por outro lado, Detonator® associado aos atuais herbicidas do mercado tem resultado em maiores níveis de eficiência, sendo definitivamente viável para todos os produtores.

Detonator® já está disponível no mercado desde o início do mês de julho de 2019.

Evolução constante

Jeferson Philippsen conta que a Oro Agri foi recentemente adquirida pelo Grupo Omnia: “O grupo já tem mais de 60 anos de história, e trabalha com quatro frentes – mineração, químicos, agricultura e trading de investimentos. Essa aquisição veio para somar muito mais força para a Oro Agri, uma empresa que já tinha uma tecnologia totalmente diferenciada nas mãos. Agora, estamos ainda mais fortes no sentindo de levar mais produtos, pesquisas e agregar ainda mais valor junto ao produtor rural, para vencer os desafios do dia a dia”.

Soluções completas

Na Semana da Citricultura da Expocitros, que aconteceu entre 03 e 06 de junho em Cordeirópolis (SP), a Oro Agri lançou o produto Sapiens®, que veio para mudar o cenário citrícola mundial. Logo atrás vem o Prev-Am, ainda em fase de registro, um produto fungicida, inseticida e acaricida, ambientalmente correto, que trará muita eficiência e produtividade no campo.


BOX

A empresa

A Oro Agri, cujo acrônimo é Orange Oil for Agriculture (que significa óleo da casca da laranja para a agricultura), iniciou suas atividades em 2002, na África do Sul, e está presente no Brasil desde 2008. Com várias fábricas no mundo todo e operações estabelecidas nos Estados Unidos, Europa, Ásia, África e Oceania, a companhia detém a patente mundial do uso do óleo essencial da casca de laranja para agricultura e pecuária.

Nos demais países, o foco da empresa está basicamente na fruticultura, enquanto no Brasil os maiores mercados são as culturas de soja, milho, algodão e pastagem. A fábrica brasileira fica em Arapongas (PR) e gera 80 empregos diretos.

Etiquetas
Mostrar mais