Software aprimora diagnóstico nutricional em citros

Danilo Eduardo Rozane

Engenheiro agrônomo, doutor e professor na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), campus de Registro e no Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo da Universidade Federal do Paraná (UFPR)

danilorozane@registro.unesp.br

Danilo Ricardo Yamane

Engenheiro agrônomo, mestre e doutorando – Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Produção Vegetal) na Unesp

Arthur Bernardes Cecílio Filho

Engenheiro agrônomo, doutor e professor na Unesp, campus de Jaboticabal

William Natale

Engenheiro agrônomo, doutor e professor visitante pleno na UFPR

Crédito Shutterstock

Crédito Shutterstock

A atividade citrícola, sob um mercado globalizado e competitivo, e em função principalmente de problemas fitossanitários e desequilíbrios nutricionais, exige, para a efetiva permanência do empresário agrícola no campo, o emprego de todas as ferramentas e inovações tecnológicas disponíveis que possibilitem a obtenção de elevada produtividade, com redução de custos, e minimização de riscos de contaminação do ambiente, levando-se em consideração também a qualidade do produto colhido.

Neste sentido, a citricultura tem adotado diversas inovações tecnológicas e de manejos culturais ao longo dos últimos anos, destacando-se: maior adensamento no plantio, o que condicionou a necessidade da adoção da poda mecanizada, diversificação no uso de porta-enxertos, aumento das áreas manejadas com irrigação/fertirrigação, intensificação no emprego e manejo de corretivos e fertilizantes, sistematização no manejo integrado de doenças e pragas, com a utilização de menores volumes de calda e novos defensivos químicos, maior controle na análise para detecção de resíduos nos frutos, e rastreabilidade da produção.

Novo software

O software ‘CND-Citros’ possibilita a avaliação do estado nutricional das plantas a partir do método CND (“CompositionalNutrientDiagnosis”), ou seja, Diagnose da Composição Nutricional, de forma gratuita, rápida, prática e eficaz.

Assim, o empresário agrícola, de posse dos resultados da análise química de tecido foliar de seus talhões, poderá utilizar o software para interpretar o balanço de nutrientes de suas áreas, comparativamente às áreas de elevada produtividade.

O software ‘CND – Citros’ é resultado de ampla integração público-privada, que reuniu esforços de professores, pesquisadores, técnicos, produtores e da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, campus de Jaboticabal e de Registro, da Universidade Federal do Ceará e do professor-pesquisador da UniversitéLaval, do Canadá, com apoio financeiro da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

 

Equipe de trabalho envolvido na elaboração do software - Crédito UNESP

Equipe de trabalho envolvido na elaboração do software – Crédito UNESP

Vantagens

O conhecimento do estado nutricional das plantas permite determinar fatores relacionados à nutrição mineral que estão afetando a produção/rentabilidade e, assim, contribui para a adoção de programas racionais de adubação.

Uma maneira econômica e eficaz de avaliar o estado nutricional das culturas é empregar a análise química do tecido vegetal, confrontando os resultados com normas pré-estabelecidas desenvolvidas a partir de talhões de alta produtividade. Esse é o objetivo do programa “CND-Citros”, que emprega o conceito CND.

O conceito CND expressa o balanço da composição dos nutrientes do tecido vegetal na forma de valores relativos, que é a informação numérica básica para estabelecer o diagnóstico do estado nutricional das plantas.

É importante destacar que o “CND-Citros” foi desenvolvido e pode ser empregado somente para a avaliação do estado nutricional de laranjeiras, pois utiliza parâmetros desta frutífera.Além da cultura do citros, parcerias e pesquisas estão sendo desenvolvidas para inúmeras outras frutíferas, a fim de ampliar o adequado diagnóstico nutricional.

Neste sentido, já estão disponíveis para uso gratuito softwares semelhantes para as culturas da goiaba, manga, uva, atemoia, tomate e milho doce. E vem mais por aí.

Disponibilidade

O software está disponível para qualquer produtor. Para utilizar gratuitamente o ‘CND-Citros’ basta acessar o site http://www.registro.unesp.br/sites/cnd/

Ao entrar no site, existe um tutorial explicando os detalhes. Mas, de todo modo, para uso do software, basicamente basta seguir as etapas seguintes:

1 – Tendo em mãos a análise química de folhas, transcreva os teores dos nutrientes nos campos correspondentes.

2 – Após preencher todos os campos, clique no botão “Calcular”. Caso queira corrigir o valor de algum campo, é só clicar em “Alterar” e proceder a correção. Após concluir esta análise é possível efetuar uma nova análise clicando no botão “Novo”.

3 – Após clicar no botão “Calcular”, serão exibidos os Índices de equilíbrio para cada nutriente, bem como o CND-r², que representa o índice de desequilíbrio nutricional global da amostra. Serão também gerados gráficos para facilitar a interpretação dos resultados em forma de radar/polar e de barras, representando, para cada nutriente, os índices calculados. Em relação à população de alta produtividade, amostras com índices positivos indicam ‘excesso’, e índices negativos ‘deficiência’. Por outro lado, podem ser considerados como ‘adequados’ os índices que tendem a zero.

4 – Após visualizar os gráficos pode-se clicar no botão “Formulário” e preencher todos os campos julgados relevantes para estabelecer o histórico da área.

É oportuno salientar que para o sucesso na avaliação do estado nutricional de laranjeiras pelo software “CND-Citros”, recomenda-se que a análise foliar seja realizada segundo os passos:

► A amostragem foliar deve ser feita em área homogênea quanto à topografia, tipo de solo, práticas de manejo, combinação da variedade copa/porta-enxerto, idade da planta, etc.

► Cada amostra deve conter 100 folhas, que corresponde à amostragem aleatória de 25 árvores por talhão homogêneo, coletando-se quatro folhas recém-maduras por planta (terceira ou quarta folha, de ramo com fruto terminal de 02 a 04 cm diâmetro), localizadas na altura mediana da copa e distribuídas nos diferentes quadrantes, geralmente no período de fevereiro a março.

► Coletar apenas folhas completas (limbo + pecíolo), totalmente expandidas e sadias (sem a presença de doenças e não afetadas pelo ataque de insetos ou outros agentes).

► Cada amostra deve ser acondicionada em sacos de papel ou em embalagem fornecida pelo laboratório de análise. As folhas amostradas deverão ser remetidas o mais rápido possível a um laboratório credenciado para análise dos teores dos nutrientes na folha.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de novembro 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *