Produção de teca pelo Brasil afora

Lísias Coelho

Engenheiro florestal, Ph.D. e professor ICIAG-UFU

lisias@ufu.br

Túlio Vieira Machado

Engenheiro agrônomo e mestrando em Fitotecnia – ICIAG-UFU

tuliovmachado@gmail.com

Ernane Miranda Lemes

Engenheiro agrônomo, M.Sc. e doutorando em Produção Vegetal, ICIAG-UFU

ernanelemes@yahoo.com.br

Crédito TRC

Crédito TRC

 Crédito TRC

Crédito TRC

A madeira da teca (Tectonagrandis) é considerada nobre, e está entre as espécies florestais mais utilizadas para reflorestamento comercial no mundo. Foi utilizada na construção naval pelos colonizadores do oriente, pelo fato de ser muito resistente às condições climáticas, como sol excessivo e chuva, e também à água do mar.

A madeira da teca, devido à coloração marrom viva e brilhante do cerne, que contrasta com a tonalidade esbranquiçada do alburno, é requisitada também para o uso de móveis decorativos, tanto no interior como no exterior das casas, sendo muito interessante para mobiliário de luxo. Também é muito apreciada para a indústria de laminados e compensados.

Características

A teca é uma árvore de grande porte, nativa de países da Ásia tropical, como Tailândia, Índia e Myanmar, originária de florestas tropicais de monção situadas entre 10º e 25º N, podendo alcançar até 60 metros de altura.

Altamente adaptável a condições adversas, a teca é cultivada desde regiões situadas ao nível do mar até áreas com altitudes de 1.300 metros, com precipitação anual variando de menos de 900 mm a 2.500 milímetros por ano, e uma estação seca de três a sete meses (nas regiões mais secas), período essencial para garantir a dureza da madeira.

Ela tolera temperaturas que variam de 03ºC a 42ºC, no entanto, não tolera geadas. Isto mostra que é possível encontrar materiais mais adequados para as várias regiões no Brasil.Foto 02 - Crédito TRC

Crédito TRC

Crédito TRC

Crédito TRC

Rusticidade + durabilidade

Considerada uma planta rústica, de crescimento acelerado, resistente ao ataque de pragas e doenças, e também ao fogo, desde que de baixa intensidade, devido à espessura (15 mm) e composição de sua casca, considerada termo-isolante.

A teca se mostra uma excelente opção a ser utilizada em plantios de reflorestamento. Já no primeiro ano a planta pode chegar aos três metros de altura, e no segundo ano pode ultrapassar os cinco metros.

Outro fator que contribui muito para sua durabilidade é o fato de ela apresentar em sua composição substâncias, tanto no cerne como no alburno, que reduzem a absorção de água pela madeira e lubrificam a superfície. Estas substâncias conferem maior durabilidade, proporcionando resistência a ácidos, protegendo pregos e parafusos afixados à madeira contra corrosão.

A teca possui boa resistência em relação à flexão, compressão e tração. Nos processos de secagem, praticamente não empena, tampouco se contrai. A durabilidade de seu cerne é equiparável ao cerne de aroeira, e por isso seu uso no meio rural é bastante aceito, como postes de cerca (madeira de desbaste pré-comercial), esticadores, madeiramento de curral, etc. É utilizada também nas linhas de transmissão de energia elétrica.

Pelo mundo afora

Quando pensamos na dimensão das áreas plantadas com espécies de folhosas tropicais, a teca ocupa o terceiro lugar, ficando atrás apenas do eucalipto (com mais de 5,6 milhões de hectares no Brasil) e das acácias. A produção comercial de teca se concentra em regiões da África e da Ásia Tropical, que correspondem a 98% da área plantada em todo o mundo, enquanto que a América do Sul representa menos de 1% da área plantada.

No Brasil, o plantio se estende por Estados como Mato Grosso, Goiás, Acre, Pará, Rondônia, Minas Gerais, dentre outros. No entanto, dentre estes, Mato Grosso é o que vem apresentando maior aumento na área plantada, grande parte devido a investimentos de uma única empresa florestal, que foi a pioneira nessa área.

A área plantada com teca no ano de 1986 em todo o território brasileiro superava os 10 mil hectares, enquanto que em 2016 a área plantada era de aproximadamente 87.410 ha. As regiões Norte e Centro-Oeste do Brasil apresentam condições climáticas ótimas, favoráveis ao bom desenvolvimento da teca.

Entretanto, considerando que se trata de uma espécie tropical, seu plantio pode ser feito em quase todo o País, de São Paulo até a divisa norte do Brasil, visto que nessas áreas a temperatura, pluviosidade e luz estão presentes em condições ideais para a cultura.

Crédito TRC

Crédito TRC

Crédito TRC

Crédito TRC

Agregado de valor

Sua madeira é valorizada no mercado internacional e possui mercado consolidado. Outro fator que contribui para o crescente interesse no plantio por parte dos produtores é o fato de que o ciclo da teca no Brasil é muito menor quando comparado a sua região de origem, representando cerca de 30% do tempo.

Ou seja, enquanto o ciclo de produção dessa árvore pode chegar a 80 anos em países do sudeste asiático, no Brasil ele é reduzido para 20 a 30 anos, trazendo retorno financeiro relativamente mais rápido.

O valor da madeira, pode alcançar preços que variam dede US$50/m3 a 500/m3 , dependendo da dimensão e qualidade da madeira.

Tendência

Como em vários outros setores da agricultura, a diferença entre a oferta e a demanda ainda é muito acentuada, o que contribui para que o preço da madeira fique elevado, com tendência de aumentar, haja vista que os países estão cada vez mais comprometidos com a preservação de florestas nativas, e a saída para isso é fazer uso de madeiras provenientes de reflorestamento destinados para produção de madeira.

Países como a Tailândia e a Índia, que apresentam áreas com florestas nativas de teca, estão proibidas de extrair esta madeira há décadas. E outros, como Malásia, Indonésia e Vietnã vêm sofrendo sérias restrições quanto à exportação de madeira. Esta política influencia significativamente na elevação do preço pago pela madeira no mercado internacional.

Foto 04 B - Crédito TRC Foto 04 C - Crédito TRC Foto 05 - Crédito TRC Foto 05 A - Crédito TRC Foto 06 - Crédito TRC Foto 07 - Crédito TRC

 

Essa é parte da matéria de capa da revista Campo & Negócios Floresta, edição de Julho/Agosto 2017. Adquira a sua para leitura completa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *