Processo de importação e quarentena do endoparasitóide exótico Diaphorencyrtusaligarhensis

Adultos da praga Diaphorinacitri sobre planta hospedeira e gaiolas de criação de insetos para os biotestes

Adultos da praga Diaphorinacitri sobre planta hospedeira e gaiolas de criação de insetos para os biotestes

Foi realizada uma busca exploratória em 2015, na Califórnia (EUA), de possíveis inimigos naturais alternativos à vespinha ectoparasitoide Tamarixiaradiata (Hymenoptera: Eulophidae) já existente no Brasil.

Adultos da praga Diaphorinacitri sobre planta hospedeira e gaiolas de criação de insetos para os biotestes

Adultos da praga Diaphorinacitri sobre planta hospedeira e gaiolas de criação de insetos para os biotestes

O bioagente exótico de controle importado em 2015 foi o endoparasitoide Diaphorencyrtusaligarhensis (Hymenoptera: Encyrtidae), que tem sido utilizado com sucesso na costa oeste da Califórnia pelo Departamento de Agricultura e Alimentação da Califórnia (CDFA) e pelo Departamento de Entomologia da Universidade da Califórnia (UC), em Riverside (EUA), para o controle biológico da pragavetora do HLB, o psilídeo-dos-citros Diaphorinacitri (Hemiptera: Psyllidae).

Adultos da praga Diaphorinacitri sobre planta hospedeira e gaiolas de criação de insetos para os biotestes

Adultos da praga Diaphorinacitri sobre planta hospedeira e gaiolas de criação de insetos para os biotestes

Esse endoparasitoide exótico, já introduzido no Brasil desde 2015, é de origem do Paquistão e posteriormente foi importado para os Estados Unidos. Atualmente encontra-se em quarentena na área de segurança do Laboratório de Quarentena “Costa Lima”, da Embrapa Meio Ambiente, em Jaguariúna (SP),sob responsabilidade do pesquisador Luiz Alexandre Nogueira de Sá.

Pretende-se verificar a utilização de D. aligarhensisem pomares cítricos no controle biológico da praga D. citri

Pretende-se verificar a utilização de D. aligarhensisem pomares cítricos no controle biológico da praga D. citri

Este mesmo pesquisador e sua equipe estão estudando o parasitismo, realizando testes de especificidade, competição e a faixa climática para o desenvolvimento do ciclo de vida para ambos os parasitoides em condições controladas e de quarentena.

Os biotestes visam determinar a eficiência deste parasitoide importado, D. aligarhensis, que é utilizado com sucesso em regiões semiáridas de pomares cítricos da Califórnia. No Brasil pretende-se verificar o grande potencial de utilização de D. aligarhensisem áreas semiáridas de pomares cítricos nos Estados da Bahia e Sergipe para efetivar o controle biológico dessa séria praga D. citrino País.

Essa matéria você encontra na edição de setembro 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *