Poda de cafeeiros em sistema safra zero é a salvação da cafeicultura de montanha

José Braz Matiello

Engenheiro agrônomo da Fundação Procafé

 

Crédito Luize Hess

Crédito Luize Hess

A poda de esqueletamento em cafeeiros, que leva a zerar a safra baixa, permitindo ter uma safra alta e mais econômica a cada dois anos, com certeza é a forma mais racional para alcançar maior competitividade e mesmo a própria sobrevivência da cafeicultura de montanha.

Importância

A cafeicultura de montanha no Brasil é composta por cerca de 700 mil ha de cafezais, cultivados em áreas de topografia acidentada, onde a mecanização normal é impraticável. Com isso, os tratos realizados, em sua maior parte, de forma manual, vêm exigindo o uso de mão deobra em grande quantidade, onerando os custos de produção.

Várias práticas alternativas têm procurado facilitar os tratos culturais e a colheita nas lavouras de café de montanha. A abertura de microterraços nas ruas do cafezal e o emprego de derriçadoras motorizadas, de operação manual, são exemplos de evoluções importantes na adaptação do terreno e no maquinário.

A adaptação na lavoura, entretanto, é a prática que consideramos essencial para dar base a toda economia na lavoura.

Como reduzir custos

Como o principal fator de uso de mão de obra e, consequentemente, na elevação dos custos, é o trabalho com a colheita e conhecendo que essa operação é mais cara em cafeeiros, a maneira de reduzir custos, como temos visto, nas pesquisas e na prática dos cafeicultores, é concentrar a safra a cada dois anos.

A poda de esqueletamento, ao cortar os ramos laterais, produtivos, evita ou zera a safra baixa e possibilita uma colheita alta, mais barata, a cada dois anos, de quase a mesma quantidade de café que seria colhido nas duas safras. Ao mesmo tempo, permite economias paralelas aos trabalhos de colheita.

Pode-se economizar, no primeiro ano pós-poda, na adubação. Pode-se fazer uma colheita com maior vigor, podendo até quebrar alguns galhos, pois estes serão cortados na poda em seguida. Pode-se, ainda, aproveitar a própria poda dos ramos para efetuar a colheita dos frutos desses ramos após a poda.

Por isso tudo, os técnicos de assistência técnica e os cafeicultores das montanhas precisam adotar mais o sistema de poda para safra zero, como, aliás, já vem ocorrendo em grande escala nas áreas planas. É muito evidente que este sistema é ainda mais adequado às lavouras onde não se pode mecanizar. Ali, a poda de esqueletamento é, sem dúvida, a “salvação da lavoura”.

Essa matéria você encontra na edição de novembro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *