Mudas sadias – O início do sucesso do cultivo de morango

Mário Calvino Palombini

Engenheiro agrônomo e consultor técnico da Vermelho Natural

vermelhonatural@hotmail.com

Crédito Shutterstock

Crédito Shutterstock

A qualidade da muda de morango é fundamental para o sucesso da atividade de produção de frutos, portanto, é importante compreender alguns aspectos de sua produção.

Vamos dividir em três aspectos: vigor da muda e preservação das características genéticas da variedade, a sanidade e sua fisiologia.

No aspecto de vigor da muda e preservação das características genéticas da variedade, o processo correto de produção começa com retirada do material genético das plantasque deram origem à respectiva variedade.Estas plantas são geralmente mantidas em vaso com substrato num local fechado e isolado, à temperatura de 60ºC para evitar contaminação de viroses e outros patógenos.

Todas as mudas da respectiva variedade provêm destas únicas plantas. Os materiais retiradossão os primeiros filhos (rebentos), denominados“F1”. Todo filho (F…) possui um vigor inferior ao de sua planta mãe, produzindo maior quantidade de frutos, com menor qualidade e tamanho.

As “F1” são mantidas em um local fechado com tela antiafídeo (pulgões), em substrato, para mantera sanidade. Nestas condições, são produzidos os “F2”, os quais são colocados em ambiente aberto, mas em substrato, onde são produzidos a “F3”, o próximo passo ocorre a campo, com esterilização do solo, onde são produzidos a “F4”, e depois a “F5”.

Os F5 são as matrizes distribuídas no mundo, utilizadas pelos viveiristas para a produção dos “F6”, que são as mudas utilizadas para a produção de frutos. Os “F6” possuiemo vigor ideal para a melhor relação entre produtividade e qualidade de frutos, quando se utilizam os rebentos (filhos) das mudas destinadas para a produção de frutos para produzir mudas – os “F7”.Estas mudaspossuem a tendência de serem mais produtivas, de maior produção de frutos industriais.

Outro aspecto que define uma muda de qualidade é o fitossanitário. As mudas devem possuir, durante todos os seus processos de produção, mecanismos eficientes de controle de doenças de solo, esterilização de solo ou a utilização de substratos sadios.

É preciso, para isso, ter um forte controle de infecção de viroses, como temperaturas altas, telas antiafídeos (pulgões) e tratamentos químicos, métodos que permitam a sanidade sobre outros patógenos, como nematoides, antracnose, bactérias (xanthomonas), ácaros, entre outros.

No caso do aspecto fisiológico, devemos dar destaque ao equilíbrio hormonal das mudas. Estas devem ser retiradas quando maduras, com as suas necessidades de horas de frio no campo atendidas. No caso de falta, excesso ou choque térmico, a muda tende a vegetar, reduzindo a produção.

Classificação

Após sua retirada do campo, a planta sofre um processo de classificação, que no caso de mudas de raiz nua devem ter uma boa sanidade, bom desenvolvimento do sistema radicular, sem danos mecânicos e serem classificadas conforme o diâmetro da corola.

As mudas “AA+” possuem um diâmetro superior a 15 mm, as “A+” possuem diâmetro entre 15 e 12 mm, as “A”possuem diâmetro entre 12 e 08 mm e as “A” possuem diâmetro inferior a 08 mm, consideradas inadequadas para produção comercial de frutos.

Outro tipo de muda comumente utilizada, principalmente em sistemas de produção fora de solo, são as Trayplants. Produzidas em substratos, estas possuemum custo maior, mas são de melhor qualidade que as mudas de raiz nua.

Como o sucesso da produção de morangos está vinculadoà qualidade da muda,é importante avaliar a região onde sãoproduzidas, o nível tecnológico e profissional do viveirista e as técnicas que estão sendo adotadas, antes de tomar qualquer decisão.

Essa matéria você encontra na edição de maio da Revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira o seu exemplar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *