Molibdênio com aminoácidos aumenta produtividade e teor de proteína da soja

 

Letícia de Abreu Faria

Professora – Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), campus Paragominas

Bruna Paola Junges Capelari

Graduanda em Agronomia – UFRA

Fotos Shutterstock

Fotos Shutterstock

O fato da planta requerer micronutrientes em pequenas quantidades não diminui a importância dos mesmos para o seu desenvolvimento. As recomendações de molibdênio (Mo) para a soja compreendem valores entre 12 a 30 g/ha, mas o Mo atua no metabolismo do nitrogênio afetando significativamente a produtividade e qualidade da soja.

Na cultura da soja, o Mo atua na fixação de nitrogênio do ar por meio da simbiose com microrganismos fixadores, e a interação entre esses nutrientes resultará em acúmulo de aminoácidos, que por sua vez resultam na formação de proteínas somadoras de peso e qualidade de grãos.

A presença de aminoácidos como insumo agrícola se deve por estes auxiliarem na velocidade e eficiência de absorção, transporte e assimilação de nutrientes, assim como a circulação e translocação de nutrientes pouco móveis nos vasos do floema.

Benefícios

O Mo permite a realização da fixação biológica de nitrogênio das leguminosas, além de atuar no incremento da qualidade fisiológica dos grãos (Rossi et al., 2012), e aumentar o número de grãos e vagens por planta.

A aplicação de aminoácidos nas lavouras se deve à atuação desses como ativadores do metabolismo fisiológico e reguladores do metabolismo vegetal, com capacidade de potencializar a síntese de proteínas,a quelatização de nutrientes e agroquímicos.

Um recente e comprovado uso dos aminoácidos, principalmente na cultura da soja, é na ação antiestressante de fatores bióticos, abióticos ou relacionados ao uso de defensivos, por exemplo, a aplicação foliar após a ocorrência de fitotoxidez por herbicida.

Aminoácidos + molibdênio

Primeiramente, os aminoácidos fazem parte da constituição de proteínas.Assim, aminoácidos específicos podem gerar uma maior concentração de proteína do grão. O Mo é moderadamente móvel nas plantas e os aminoácidos tendem a exercer funções de condução de nutrientes.

Assim, a associação do Mo com os aminoácidos pode atuar em melhorias no metabolismo da planta e no fluxo de seiva.

As fontes como molibidato de sódio e de amônio e o trióxido de molibdênio são as formas mais utilizadas de molibdênio, sendo ainda utilizado o ácido molibdico e fertilizantes compostos contendo esse micronutriente.

A aplicação nas sementes de soja na forma de molibdato pode causar sérios problemas na sobrevivência das bactérias fixadoras de nitrogênio e, consequentemente, provocar prejuízos à nodulação e à nutrição nitrogenada desta leguminosa.

O mercado de micronutrientes tem grande knowhow em culturas como a soja.Assim, existem diversos produtos com associação entre os nutrientes indicados tanto para pulverização como para tratamento de sementes devido às pequenas quantidades requeridas.

O Mo permite a realização da fixação biológica de nitrogênio das leguminosas - Fotos Shutterstock

O Mo permite a realização da fixação biológica de nitrogênio das leguminosas – Fotos Shutterstock

Manejo

O manejo de aplicação do Mo via foliar ou nas sementes se equivale em eficiência (Vosset al., 2001). Na aplicação via semente, deve-se atentar aos cuidados recomendados em relação aos produtos, como o plantio logo após a inoculação, quantidade e qualidade do inoculante e as condições de umidade do solo.

Porém, micronutrientes metálicos e a associação com formulações salinas diretamente nas sementes podem afetar drasticamente a sobrevivência das bactérias fixadoras de nitrogênio, a nodulação, a eficiência simbiótica e, consequentemente, os rendimentos de grãos da cultura (Mercante et al., 2011).

A aplicação via foliar do Mo é recomendada no estádio fenológico V4 da soja visando a conversão do nitrogênio fixado e a fase de enchimento de grãos, ou seja, a conversão do nitrogênio para formação de proteína. Por sua vez, os aminoácidos podem estar presentes em formulações de fertilizantes foliares, assim como no tratamento de sementes.

A recomendação é sempre procurar assistência técnica e estudar as recomendações de bula dos insumos. Deve-se atentar aos maiores cuidados com o efeito salino da fonte de Mo via semente e ao momento adequado de aplicação via foliar.

Viabilidade

Quando o assunto está relacionado ao custo de micronutrientes, como o Mo é essencial para a realização da fixação biológica de nitrogênio na soja, devemos nos atentar que o investimento promove não somente incrementos na produtividade e qualidade do grão, como também na fertilidade do solo, uma vez que a fixação biológica de nitrogênio é permitida e potencializada.

Assim, há sempre a necessidade de checar seu custo de aplicação, que pode variar com a situação de estresse que a planta pode estar exposta ou o custo do micronutriente de interesse e a eficiência proposta.

Essa matéria você encontra na edição de julho de 2018 da Revista Campo & Negócios Grãos. Adquira o seu exemplar.

Ou assine

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *