Hidrogel na produção de mudas florestais

Camila Leite Santos

Graduanda em Engenharia Florestal – Universidade Federal de Lavras (UFLA)

camila_leite96@hotmail.com

Foto 01O hidrogel nada mais é do que polímeros hidrorretentores que têm por objetivo ajudar a reduzir o consumo de água irrigada, visto que ocorre a retenção da água, sendo a mesma liberada de forma gradativa, promovendo a dissolução de nutrientes no solo e, com isso, aumentando a taxa de crescimento das plantas.

Outra vantagem observada no uso do hidrogel é ser biodegradável e possuir pH neutro, ou seja, evita a contaminação do solo e lençóis freáticos. No entanto, para que se obtenha sucesso na técnica, devem-se observar as condições do solo e as características da região em que o mesmo será adotado.

Dicas importantes

É necessário que o hidrogel seja hidratado antes de sua aplicação para que ao ocorrer irrigação a muda não seja expulsa da cova de plantio por falta de espaço para ambos.

A quantidade de produto aplicado também é de extrema importância, visto que a superdosagem pode elevar a capacidade de expansão do mesmo, o que irá resultar também em expulsão da muda da cova de planto, e por consequência, em sua mortalidade.

Geralmente a dosagem ideal é indicada diretamente pelo fabricante. Uma forma utilizada para evitar esse problema é a aplicação do produto em covas laterais à muda, sendo este um método demorado, e por vezes descartado e utilizada a aplicação diretamente na cova de plantio.

Pesquisas

Porém, diversos estudos vêm sendo realizados a fim de se determinar também a formulação e forma correta de aplicação da espécie desejada. Estudos realizados na Universidade do Estado de Santa Catarina observaram que o polímero hidrorretentor possibilita o retardamento dos sintomas de déficit hídrico em mudas de Eucalyptusdunnii, sendo maior sua influência quando a irrigação é efetuada em menor frequência.

Além disso, o hidrogel possibilita que o plantio seja realizado em época seca e permite que as mudas resistam ao déficit hídrico.

Critérios

 Alguns fatores devem ser levados em conta na aplicação dos hidrogéis, como a disponibilidade de água, concentração de sais presentes no solo e na água a ser usada e a resistência que o meio oferece à expansão do polímero.

Em estudo realizado por Zheng et al. (2009), observou-se que a taxa de perda de ureia por lixiviação sem hidrogel foi de 88,6% em três horas e após 10 horas atingiu 96,9%.

Por outro lado, os autores observaram que na presença do hidrogel a perda por lixiviação de ureia foi de apenas 41,6% após 10 horas de análise. Portanto, concluiu-se que o uso do hidrogel como transportador de ureia pode ser um bom método para resolver os problemas de perda por lixiviação de ureia na agricultura, além de ocorrer a veiculação de nitrogênio a partir da ureia como complementação em substratos de plantas e a promoção de maior retenção de umidade.

Economia de água

O uso do hidrogel permite que haja maior intervalo entre irrigações, reduzindo assim o custo de manutenção das mudas em campo, além de minimizar os custos de produção com o replantio.

Atualmente, no mercado, os produtos em sua maioria são à base de potássio (copolímeros superabsorventes de poliacrilato), bem como os hidrogéis à base de acrilamidas.

Essa matéria você encontra na edição de julho/agosto de 2018 da Revista Campo & Negócios Floresta. Adquira o seu exemplar.

 

Ou assine

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *