Funcho (erva-doce) – Uso medicinal e culinário

O funcho, denominado também de erva-doce, é uma planta bastante conhecida no mundo todo. Seu aroma característico é utilizado em vários pratos da culinária mundial. É, também, uma erva medicinal que tem um papel muito importante na medicina alternativa. Por meio de seus chás e do óleo essencial que suas sementes guardam é possível tratar alguns males que atingem o ser humano. Por possuir propriedades alcalinizantes, a erva age como calmante, expectorante, estimulante da digestão e também é diurético

Luciana Marques de Carvalho

Pesquisadora de Fisiologia da Produção Vegetal – Embrapa Tabuleiros Costeiros

luciana.carvalho@embrapa.br

Lenita Lima Haber

Analista de Transferência de Tecnologia – Embrapa Hortaliças

lenita.haber@embrapa.br

 

Crédito Pixabay

Crédito Pixabay

No Brasil, o cultivo de funcho (Foeniculumvulgare), mais conhecido pelo nome de erva-doce, ocorre em todas as regiões, de acordo com o último Censo Agropecuário Brasileiro, feito pelo IBGE em 2006. Já a erva-doce (Pimpinellaanisium), é mais cultivada no Sul do País porque a espécie é de clima mais frio. Já o funcho (Foeniculumvulgare), mas algumas localidades do Brasil também chamado de erva-doce, pode ser cultivado em qualquer lugar do País, porque tolera clima mais quente.

Em oposição ao Sudeste, principal região produtora de funcho, de acordo com o último Censo do IBGE, o Nordeste apresenta produtividade bem menor (241 t/ha). Dentre os fatores determinantes da menor produtividade nordestina, destaca-se a escassez de umidade e ausência de irrigação em 81% das propriedades familiares produtoras, em oposição a presença de irrigação em 89% das áreas produtoras do Sudeste.

A produção nordestina ocorre em pequenas propriedades familiares de até duas tarefas, com pouco ou nenhum acesso a crédito e recurso financeiro para investimento em insumos. Importante mencionar que o funcho é cultivado nos Estados de Sergipe, Bahia, Paraíba, Pernambuco e Alagoas, como alternativa complementar de renda, predominantemente em regiões de transição entre agreste e sertão, em regime de sequeiro (não irrigada, dependendo das chuvas apenas para obter umidade) e de forma empírica, com adoção de poucas técnicas agronômicas (IBGE, 2006).

Erva-doce (Pimpinellaanisium) - Crédito Paula Rodrigues

Erva-doce (Pimpinellaanisium) – Crédito Paula Rodrigues

Espécies

No Brasil, devido à grande diversidade etnobotânica existente, muitas plantas são conhecidas popularmente pelo mesmo nome, entretanto são espécies diferentes. É o caso das espécies Foeniculumvulgare e Pimpinela anisum, ambas conhecidas por funcho, e pertencentes à mesma família botânica – Apiaceae.

EnquantoFoeniculumvulgare, conhecido também por funcho, é cultivado em todas as regiões do Brasil, Pimpinela anisum, conhecido ainda por anis, é cultivado na região Sul, principalmente no Paraná. Sua aparência é similar ao funcho, porem com porte um pouco menor e flores brancas.

Características

É uma planta herbácea, perene, de caule ereto, estriado de até 02 m de altura, mas alcançando, em média, 80 cm. Sua coloração é verde intensa, podendo-se tornar azulada em condições de seca ou intensa radiação solar. As folhas são compostas pinadas, com folíolos reduzidos a filamentos, sendo maiores no estrato inferior da planta, com até 30 cm de comprimento, e mais estreitas, próximo ao ápice.

As flores são pequenas, hermafroditas, de cor amarela, dispostas em umbelas compostas por 10 a 20 umbelas menores. Atraem muitas abelhas, as quais são as principais responsáveis pela polinização. Portanto, seu cultivo combina bem com a apicultura.

Os frutos, de formato oblongo, são compostos por dois aquênios. Constituem o órgão com maior teor de óleo essencial e mais utilizado.

Funcho (Foeniculumvulgare) - Crédito Paula Rodrigues

Funcho (Foeniculumvulgare) – Crédito Paula Rodrigues

Versatilidade

No Sudeste são encontradas e comercializadas ao menos duas variedades de funcho, sendo que uma delas é mais utilizada como hortaliça em saladas e pratos sofisticados (utiliza-se a base alargada da haste) e a outra (similar àquela produzida no Nordeste) pelos seus frutos secos, ricos em óleo essencial, cujo alto teor de anetol confere aroma similar ao do anis. Estamos nos referindo nesse texto a essa última.

Os frutos secos, vulgarmente denominados de sementes, são utilizados na culinária como condimento, os quais são comercializados em feiras livres e mercados municipais, na forma de pequenos feixes ou molhos de umbelas por meio deatravessadores, ou em sachês com os frutos secos apenas.

Em supermercados e lojas de produtos naturais são comercializados após processamento, embalagem e rotulagem por diferentes empresas, principalmente como chás, orgânicos ou não. São, também, comercializados na forma de frutos secos em farmácias para uso terapêutico em chás.

Além disso, nas farmácias há comercialização do óleo essencial da funcho, produtos terapêuticos naturaisà base de ou funcho para alívio de cólicas, especialmente em crianças lactantes. Nas lojas de cosméticos há também grande comercialização de sabonetes e cremes diversos com funcho.

Molho de umbelas com frutos - Crédito Luciana Carvalho

Molho de umbelas com frutos – Crédito Luciana Carvalho

Em adição, em algumas regiões do País há mais tradição do que em outras do uso da ‘semente de funcho’ como condimento de bolos, pães, especialmente de milho, e doces.

O chá é utilizado em casos de problemas digestivos, segundo literatura, como estimulante de funções digestivas, para eliminar gases, combater cólicas e estimular a lactação. Em adição, em função do seu sabor e aroma agradáveis, o funcho é utilizado para conferir sabor e aroma a alguns medicamentos e cosméticos.

 

As espécies Foeniculumvulgare e Pimpinela anisum, ambas conhecidas por funcho, são pertencentes à mesma família botânica –Apiaceae - Crédito

As espécies Foeniculumvulgare e Pimpinela anisum, ambas conhecidas por funcho, são pertencentes à mesma família botânica –Apiaceae – Crédito

Essa é parte da matéria de capa da revista Campo & Negócios Hortifrúti, edição de fevereiro 2018. Adquira a sua para leitura completa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *