Estresse da ameixeira pode ser combatido com aminoácidos

Nilva Terezinha Teixeira

Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro Universitário do Espírito Santo do Pinhal (UniPinhal)

nilvatteixeira@yahoo.com.br

Crédito Shutterstock

Crédito Shutterstock

A ameixeira (Prunus spp) é uma árvore caducifólia, moderadamente vigorosa, com quatro a sete metros de altura, de troco liso. É exigente em frio e adapta-se a vários tipos de solo, preferindo os profundos, bem drenados e férteis. Há duasespécies:Prunus domestica L., originária do Cáucaso, Turquia e Pérsia, chamada popularmente de ameixa europeia, e Prunus salicina Lindl, conhecida como ameixa japonesa, originária da China.

No Brasil, é cultivada no Rio Grande do Sul até os Estados do Sudeste, nas regiões de topografia mais alta; porém, com novas cultivares desenvolvidas, pode-se plantá-la em regiões altas do Nordeste brasileiro com clima mais ameno. No Brasil cultiva-se principalmente P. salicina devido à sua adequada adaptação ao clima subtropical.

Os maiores produtores mundiais de ameixa são: China, Romênia, EUA, Sérvia, Chile, França, Irã, Turquia, Índia, Itália, Espanha, Bósnia, Ucrânia, Argentina e Rússia. A produção comercial no Brasil não figura entre os 20 maiores produtores mundiais. Para atender ao mercado interno, há necessidade de importação de ameixa, principalmente do Chile e da Argentina.

Características nutricionais

Crédito Pixabay

Crédito Pixabay

A ameixa (fruto da espécie em consideração)é rica em riboflavina, vitamina do complexo B, é boa fonte de vitamina A (aproximadamente 590 UI), moderados níveis de vitamina C (15 mg/100 g de polpa) e vitamina K. Tem altos conteúdos de minerais comofósforo, cobre, manganês e potássio.

Vários estudos colocam a ameixa entre as cinco melhores frutas comerciais em níveis de antioxidantes, principalmente na polpa da fruta. Na casca do fruto estão os compostos que conferem esse efeito, portanto, não se deve remover a casca para o consumo da fruta.

Entre as ferramentas paramelhorar a produção de tal frutífera e a resistência a agentes externos está a inclusão dos aminoácidos no programa de cultivo.

Aproveitamento pelas plantas

 

O emprego de aminoácidos, geralmente associado a nutrientes de plantas, vem crescendo no Brasil e no mundo. Os aminoácidos, além de constituírem as proteínas que são formadoras de tecidos e atuam como enzimas, são precursores de vitaminas, de hormônios, dos citocromos e das clorofilas.

As plantas absorvem os aminoácidos tanto pelas folhas como por suas raízes. Essa capacidade permite-lhes tirar partido de aplicações foliares ou via rega, o que lhes propicia um desenvolvimento rápido e com menor consumo energético.

Os efeitos mais importantes da aplicação exógena dosaminoácidos são obtidos em situações climatológicas adversas (seca, geadas, temperaturas noturnas muito baixas e períodos prolongados, etc.), ocorrência de toxidez causada por aplicações errôneas de fertilizantes e fitossanitários e, ainda, em circunstâncias de ataques de pragas e doenças.

Menciona-se, também, que a introdução de aminoácidos no processo produtivo beneficia a taxa fotossintética, o que pode contribuir para a maior tolerância aos fatores adversos efuncionar comoantiestressantes.

 A aplicação de aminoácidos torna as plantas mais tolerantes - Crédito Marco Lucini

A aplicação de aminoácidos torna as plantas mais tolerantes – Crédito Marco Lucini

Características

Analisando a tabela 1, que contém funções de alguns dos aminoácidos proteicos nas plantas, conclui-se que muitos deles auxiliam na defesa das plantas e outros na formação de hormônios.

A fenilalanina, cisteínae a tirosina são importantes para a síntese de lignina(carboidrato estrutural importante para aumentar a espessura das paredes celulares); o triptofanoe a lisina são precursores de alcaloides (que aumentam a resistência de plantasàs pragas), enquanto o triptofano é percursor na síntese doácido indolacético, auxina promotora de crescimento vegetal.

A metionina é também matéria-prima para a formação do etileno, responsável pela maturação de frutos e senescência vegetal.

Os aminoácidos tirosina e fenilalanina são precursores dos compostos fenólicos como o ácido cinâmico, o ácido cumárico e flavonas, envolvidos com a defesa das plantas. Além disso, os aminoácidos proporcionam redução dos compostos solúveis nas plantas, responsáveis pela susceptibilidade das plantas às pragas e doenças.

Esclareça-se que alignina, que é encontrada nas paredes celulares de vários tipos de tecidos de sustentação e vascular, juntamente com a celulose e hemicelulose, é a responsável pelo fortalecimento de caules e o tecido vascular, protege as plantas quanto ao acamamento e da ação de insetos e microrganismos, devido a sua estabilidade química.

Por sua capacidade de ligação à celulose e às proteínas, a lignina também reduz a digestibilidade dessas substâncias.Oscompostos fenólicos modificam o sabor dos vegetais: assim o seu aumento promove a ação de repelência dos insetos-pragas.

Essa matéria completa você encontra na edição de agosto de 2018 da Revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira o seu exemplar para leitura completa.

Ou assine

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *