Efeitos das substâncias húmicas na cana-de-açúcar

Nilva Terezinha Teixeira

Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro Universitário do Espírito Santo do Pinhal (UniPinhal)

nilvatteixeira@yahoo.com.br

Crédito Shutterstock

Crédito Shutterstock

As substâncias húmicas, ou seja, huminas, ácidos húmicos e fúlvicos, são componentes da matéria orgânica dos solos, das águas e dos sedimentos. Além de influenciarem as propriedades físicas, químicas e biológicas do solo, exercem efeito direto sobre o crescimento e metabolismo das plantas, especialmente sobre o desenvolvimento radicular.

Tradicionalmente, as substâncias húmicas têm sido definidas como substâncias de coloração escura compostas por macromoléculas de massa molecular relativamente elevada, formada por meio de reações de síntese secundária a partir de resíduos orgânicos de plantas, animais e microrganismos.

Os ácidos húmicos e fúlvicos são caracterizados pela ausência de repetição estrutural, desordem molecular e larga variedade de tamanhos e formas, que implicam uma porosidade, assumindo uma forma sólida, ou um estado coloidal. Tais características influem no número, tipo e disponibilidade de sítios reativos, na capacidade de adsorção e na extensa interação de minerais e íons usados para descrever a estrutura ramificada ou a superfície rugosa e distorcida dos ácidos húmicos.

As substâncias húmicas podem afetar diretamente o metabolismo das plantas por meio de mecanismos ainda não muito claros. Sendo assim, o efeito das substâncias húmicas sobre o metabolismo das plantas tem como resultado a influência positiva sobre o transporte de íons, facilitando a absorção de nutrientes, respiração e velocidade das reações enzimáticas do ciclo de Krebs, resultando assim em maior produção de energia metabólica.

Benefícios

Os ácidos húmicos favorecem a germinação das mudas de cana

Os ácidos húmicos favorecem a germinação das mudas de cana

Relata-se que os efeitos positivos dos ácidos húmicos sobre as plantas são justificados por influência positiva no transporte de íons, favorecendo também a absorção, o aumento da taxa respiratória e das reações enzimáticas do ciclo de Krebs, o que resulta em maior produção de ATP.

Considera-se, ainda, que tais substâncias promovem incremento no conteúdo de clorofila, de ácidos nucleicos e de proteínas. Menciona-se, ainda, que a influência dos ácidos húmicos na absorção iônica seria resultado de aumento da permeabilidade da membrana celular.

Acredita-se que os ácidos húmicos e fúlvicos absorvidos pela planta, em estágios avançados do seu desenvolvimento, são uma fonte de polifenois, que funcionam como catalizadores da respiração. O resultado é o aumento da atividade metabólica do vegetal; aceleração dos processos enzimáticos e da divisão celular, crescimento mais rápido da raiz e aumento de matéria seca.

Considera-se, ainda, que os ácidos húmicos e fúlvicos favorecem a assimilação de nutrientes, e que eles são importantes na retenção de cátions em concentrações elevadas no solo, o que evita toxicidades. Ainda, os efeitos de tais ácidos são diversos, de acordo com a adubação empregada, o que torna o estudo da inclusão dos mesmos nos sistemas de produção interessante.

Ácidos húmicos melhoram o enraizamento e produção de colmos

Ácidos húmicos melhoram o enraizamento e produção de colmos

Papel no sistema solo-planta

Os ácidos húmicos e fúlvicos são substâncias que desempenham um importante papel no meio ambiente por se ligarem diretamente à germinação, retenção de água, fertilidade e outros aspectos.

Os ácidos húmicos favorecem a germinação, devido à coloração escura queapresentam, o que favorece a retenção de calor, favorecendo o processo. A capacidade de retenção de água dos ácidos orgânicos auxilia na proteção dos solos contra a erosão. Eles ainda atuam como agentes cimentantes nas partículas do solo em agregados ao se combinarem com os minerais, favorecem a liberação de nutrientes às plantas, como NH4+, NO3- e SO42-, resultantes de sua decomposição.

Possuem os grupos ligantes carboxilatos e fenolatos, importantes para a estruturação dos solos e nutrição de plantas (coordenação com os íons Al3+, Fe3+ e de Cu2+). Um dos aspectos relevantes dos ácidos húmicos é a sua capacidade de complexação com metais e agroquímicos.

Os ácidos húmicos e fúlvicos são os compostos orgânicos mais estudados e apresentam pouca solubilidade nas condições de acidez normalmente encontradas em solos. São os responsáveis pela maior parte da CTC de origem orgânica em camadas superficiais do solo.

Os ácidos húmicos e fúlvicos interferem diretamente na qualidade física do solo, por promoverem uma aproximação das partículas e, consequentemente, sua união, gerando, dessa forma, uma maior agregação dos solos (Guerra et al., 2008).

Os ácidos húmicos aumentam os teores de açúcar na cana - Crédito Ana Maria Diniz

Os ácidos húmicos aumentam os teores de açúcar na cana – Crédito Ana Maria Diniz

Agregação do solo

O processo de agregação dos solos influi diretamente sobre outras características do perfil como, por exemplo, a densidade, porosidade, aeração, capacidade de retenção e infiltração de água no solo.

Contudo, a agregação é o ponto de partida, sem a qual os demais benefícios para o solo não ocorrem. Por possuírem cadeias muito grandes, as substâncias húmicas têm alta capacidade de retenção de água, o que colabora para a manutenção de agregados estabilizados nos solos.

Sua capacidade de reter água é 20 vezes maior que a dos solos sem matéria orgânica, o que justifica a maior capacidade das plantas sobreviverem melhor em solos com grande quantidade de substâncias húmicas durante o período de déficit hídrico.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de fevereiro 2018 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *