E agora, que população de cebola plantar?

Geraldo Milanez de Resende

Pesquisador em Fitotecnia/Olericultura da Embrapa Semiárido

geraldo.milanez@embrapa.com

Crédito Luciano Brito

Crédito Luciano Brito

A cebolicultura nacional é uma atividade praticada principalmente por pequenos produtores e a sua importância socioeconômica fundamenta-se não apenas em demandar grande quantidade de mão de obra, contribuindo para a viabilização de pequenas propriedades, mas também em fixar os pequenos produtores na zona rural, reduzindo, desse modo, a migração para as grandes cidades.

Cultivares

A produção de cebola no Brasil baseia-se em cultivares de polinização livre (cerca de 75% da área plantada) com seleções de ‘Baia Periforme’ e ‘Crioula’ dominando o mercado.

Possuem, entre outras qualidades, tolerância a doenças, conservação pós-colheita boa e variação ampla em formato, tamanho, cor, número e espessura de películas de bulbos.

O uso de cultivares superiores e de técnicas modernas de produção, como irrigação, alta densidade populacional, semeadura direta, mecanização da produção, adubação balanceada, entre outras, associadas ao uso de sementes de melhor padrão genético vêm favorecendo aumentos gradativos e constantes no rendimento.

A adoção de cultivares híbridas associada ao uso de alta tecnologia de produção tem sido fator de aumento de produtividade, especialmente nas regiões sudeste e centro-oeste e em parte do nordeste, nos últimos anos.

Espaçamento de plantio

Espaçamentos maiores entre plantas e linhas tendem a produzir bulbos maiores - Crédito Alltech

Espaçamentos maiores entre plantas e linhas tendem a produzir bulbos maiores – Crédito Alltech

O espaçamento de plantio é um fator de grande influência no crescimento e desenvolvimento das plantas. Este fator promove a competição entre indivíduos da mesma espécie e de espécies diferentes por recursos de crescimento, como água, luz e nutrientes, e pode afetar a produção e seus componentes.

Nesse contexto, utilizar o espaçamento correto e ideal para a cebola é de extrema importância no que condiz ao alcance de produtividades superiores e melhor qualidade do bulbo.

A definição do número ideal de plantas em função do espaçamento entre plantas e entrelinhas (densidade de plantio) é determinante no tamanho do bulbo (diâmetro/peso) e, consequentemente, na produtividade da cultura.

Espaçamentos maiores entre plantas e linhas tendem a produzir bulbos maiores (muitas vezes não comerciais) e menor quantidade por hectare (área) (bulbos uniformes de tamanho médio 50 a 70 mm, considerados de melhor padrão de qualidade).

Inversamente, menores espaçamentos (maiores populações de plantas) resultam em maiores quantidades de bulbos com menor peso. Nesse contexto, as recomendações da população de plantas ideais para a cebola passam por pesquisas experimentais em condições climáticas locais e em função do potencial das cultivares avaliadas, nos quais se definem a correta população de plantas a ser utilizada, ou seja, cada material possui uma faixa ideal de população de plantas por área (densidade de plantio).

A produtividade da cultura aumenta com a elevação da densidade de plantio até atingir um ponto ótimo, que é determinado, sobretudo, pela cultivar e pelas condições externas (condições edafoclimáticas locais) e manejo da lavoura. A partir desse ponto, quando o rendimento é máximo, o incremento na densidade resultará em decréscimo progressivo na produtividade da lavoura.

Pontos importantes

 O espaçamento de plantio influencia no crescimento e desenvolvimento das plantas - Crédito Geraldo Resende

O espaçamento de plantio influencia no crescimento e desenvolvimento das plantas – Crédito Geraldo Resende

O desempenho agronômico de uma dada espécie está relacionado tanto à sua adaptação local quanto às práticas de manejo fitotécnico. O uso de cultivares superiores e de técnicas modernas de produção, como irrigação, alta densidade populacional, semeadura direta, mecanização da produção, adubação balanceada, entre outras, associadas ao uso de cultivares com melhor padrão genético vêm favorecendo aumentos gradativos e constantes no rendimento.

Alta tecnologia e o uso de cultivares híbridas de cebola têm sido fatores de incremento de produtividade, especialmente nas regiões sudeste e centro-oeste e em parte do nordeste, nos últimos anos.

Essa matéria completa você encontra na edição de setembro de 2018 da Revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira o seu exemplar para leitura completa.

 

Ou assine

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *