Calha são boa opção em cultivo de morango

 

 

Glaucio da Cruz Genuncio

Doutor e professor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

glauciogenuncio@gmail.com

Talita de Santana Matos

Elisamara Caldeira do Nascimento

Doutoras em Agronomia- Ciência do Solo

Rafael Campagnol

Professor da UFMT

Fotos Vladimir Landiva

Fotos Vladimir Landiva

Ao cultivar morangos em calhas hidropônicas o produtor deve atentar-se quanto ao manejo nutricional e de irrigação, pois estes são extremamente criteriosos. Assim, o sistema caracteriza-se por sua alta exigência de conhecimento técnico para a garantia de elevadas produções, produtividades e qualidade dos frutos.

As calhas hidropônicas podem ser classificadas como de sistema aberto, na qual a solução nutritiva não recircula, e admite-se um volume drenado entre 20 a 30%.A calha de circuito fechado, na qual a solução nutritiva é completamente reaproveitada, não há volume drenado.

Substratos

Apesar da calha fundamentalmente servir de suporte para as plantas, existe a necessidade do uso de substrato, sendo o mais comum entre os produtores a fibra mista de coco. A junção entre calha e substrato servirá a priori no suporte das plantas de morango e, a partir deste conjunto formado, a aplicação de água e nutrientes servirá para o crescimento e desenvolvimento das plantas.

Insumos hidropônicos

A importância do controle nas aplicações de água e nutrientes está em função dos estádios fisiológicos que o morangueiro apresenta. Assim, no período vegetativo o morangueiro necessitará de maiores quantidades de N, P e micronutrientes, enquanto no estádio reprodutivo de floração e frutificação ocorre o aumento da necessidade fisiológica de certos nutrientes, tais como K, Ca e B.

Assim, o produtor deve buscar informações quanto ao manejo diferenciado da solução nutritiva em função dos estádios de desenvolvimento do morangueiro, ajustando-a de acordo com a necessidade da planta em produzir folhas e frutos.

As calhas auxiliam no melhor controle nutricional e uso eficiente de água - Fotos Vladimir Landiva

As calhas auxiliam no melhor controle nutricional e uso eficiente de água – Fotos Vladimir Landiva

Erros fatais

Outro fator que favorece a queda significativa de produção é o manejo errôneo da aplicação de água (irrigação) nas calhas hidropônicas, em que tanto o excesso quanto a falta afetarão o crescimento e desenvolvimento dos frutos do morangueiro.

Assim, sistemas de controle por tensiometria ou pressão positiva são recomendados para o uso da calha. Além do mais, o sistema de aplicação tanto de água como de nutrientes (fertirrigação) deve ser o de gotejamento, com especificidade em termos de espaçamento entre gotejadores e distância entre linhas de cultivo.

A necessidade de um projeto executivo é real e de fundamental importância, uma vez que erros de cálculo podem afetar diretamente o crescimento e desenvolvimento do morangueiro.

Ressalta-se, ainda, um benefício do uso de calhas recirculantes comparativamente às calhas abertas, devido à facilidade do manejo de irrigação, com uma menor possibilidade de erros quanto ao excesso. Este excesso pode causar a morte do sistema radicular por falta de oxigenação no substrato, assim como pela maior possibilidade do surgimento de doenças bacterianas.

Por outro lado, a falta ou a variação na aplicação de água é um dos principais fatores que levam à salinização do substrato, além da deficiência de Ca e B nas plantas, causando o comprometimento da produção e produtividade do morangueiro.

Quanto ao processo de monitoração da fertirrigação, o controle do pH e da condutividade elétrica (EC) da solução drenada são os mais recomendados. Pode-se, além disso, utilizar um extrator de solução, que é uma ferramenta inserida no substrato e responsável por amostrar a solução.

Nesta, o produtor avalia o pH e a EC. Isto é importante, pois gerará dados fundamentais para tomadas de decisões, tais como: lavagem do substrato, aumento da EC, controle efetivo do pH, uso de mulching para redução da evapotranspiração, dentre outros manejos.

Benefícios das calhas

As calhas hidropônicas destacam-se como ferramentas que auxiliam no melhor controle nutricional e no uso eficiente de água (um bem precioso atualmente), assim como garante ao produtor uma reduzida probabilidade do ataque de pragas e doenças presentes no solo. Este manejo torna-se fundamental para a obtenção de qualidade de frutos e produtividades elevadas.

Neste tipo de sistema, alguns produtores garantem produções de até 1,5 kg de frutos/planta/ciclo, sendo este um excelente resultado obtido nas produções nestes sistemas.

Custo

O investimento em calhas recirculantes pode ser de 15 a 20% superior ao sistema NFT (sendo a base comparativa com o custo de R$ 65,00/m2). Por outro lado, o sistema de calha aberta pode ser menor, porém, com as desvantagens supracitadas.

Para análise de investimento na implantação do sistema tipo calhas, recomendamos ao produtor o levantamento do custo do substrato (principalmente com o frete na avaliação) e sua reutilização em cultivos sucessivos do morangueiro em termos nutricionais e fitossanitários. Este custo é um dos fatores determinantes na escolha deste tipo de sistema hidropônico.

Essa matéria você encontra na edição de maio da Revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira o seu exemplar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *