Bambu – Um dos mais promissores recursos renováveis do século 21

Ernane Miranda Lemes

Engenheiro agrônomo, M.Sc. e doutorando em Produção Vegetal – ICIAG-UFU

ernanelemes@yahoo.com.br

Lísias Coelho

Engenheiro florestal, Ph.D. e professor – ICIAG-UFU

lisias@ufu.br

Túlio Vieira Machado

Engenheiro agrônomo e mestrando em Fitotecnia -ICIAG-UFU

tuliovmachado@gmail.com

 

Crédito-Shutterstock

Crédito-Shutterstock

Bambu é um termo genérico que designa as cerca de 1.400 espécies de gramíneas (Poaceae) da subfamília Bambusoideae. São plantas perenes que apresentam colmos eretos com nós e internós distintos que geralmente são ocos com casca lenhosa.

As espécies de bambu ocorrem naturalmente em regiões de clima tropical e temperado (SödertrömCalderon, 1979; Judziewicz et al., 1999) e representam 3% da área total coberta por florestas no mundo. O bambu apresenta gêneros de tamanho pequeno (p.ex. Pleioblastus, Raddiella) e elevado (p.ex. Dendrocalamus, Phyllostachys), podendo ocorrer bambus com poucos centímetros a até mais de 50 metros de altura.

Tipos de bambus

Existem basicamente dois tipos de bambu quanto ao agrupamento dos colmos: bambus de crescimento simpodial e de crescimento monopodial. Bambus que crescem próximos, com muitos colmos em uma touceira, são bambus de crescimento simpodial, enquanto que bambus que apresentam colmos solitários, regularmente separados um do outro, são bambus de crescimento monopodial.

Dentre os bambus de crescimento simpodial, existem as espécies entouceirantes e as espécies alastrantes, e estas podem ser um grande problema, se mal conduzidas. Todos os colmos de um bambu, sejam agrupados ou individuais, se originam de um caule horizontal subterrâneo chamado rizoma.

Existem diversas variedades de bambu, entre as quais se destacam os bambus trazidos pelos portugueses, como o bambu-caipira (Bambusatuldoides), o bambu-gigante-verde (B. vulgaris, espécie comumente utilizada para a produção de biomassa e a fabricação de papel), e o bambu-gigante-verde-e-amarelo (B. vulgarisvar.vittata); já o bambu-gigante (Dendrocalamusgiganteus e D. asper) e o bambu-mirim (Phillostachysaurea) foram variedades trazidas da Ásia.

O bambu é apontado como um dos mais promissores recursos renováveis do século 21- Crédito Pixabay

O bambu é apontado como um dos mais promissores recursos renováveis do século 21- Crédito Pixabay

Solos

O bambu é conhecido por se desenvolver em solos nutricionalmente pobres (Desh, 1989), necessitando de pouco mais que água e luz solar, por crescer muito rapidamente, sendo capaz de duplicar e até triplicar sua biomassa em apenas uma estação de crescimento, e porapresentar grande resistência mecânica associada a uma incrível flexibilidade e leveza.

Por estas características, o bambu é apontado como um dos mais promissores recursos renováveis do século 21, sendo plenamente capaz de aliviar a crescente demanda por produtos florestais.

No Brasil, a Lei nº 12.484/2011, que dispõe sobre a Política Nacional de Incentivo ao Manejo Sustentado e ao Cultivo do Bambu, e a Associação Brasileira de Produtores de Bambu (Aprobambu, criada em 2014), são ações que motivam produtores rurais a destinar terras ao cultivo do bambu para a produção de colmos, a extração de brotos, paisagismo e funções ambientais, bem como promover o desenvolvimento socioeconômico regional.

Após o estabelecimento da touceira de bambu não é necessário seu replantio, sendo, por isso, considerada uma planta “altamente renovável”. No entanto, é devido a esta prolificidade que o bambu é comumente mal visto pelos agricultores e muitas vezes marginalizado na silvicultura.

Uma touceira de bambu, uma vez instalada, se torna uma planta muito agressiva e se expande rápida e desordenadamente. Esta situação pode ser amenizada, e mesmo contida com a definição dos objetivos do plantio do bambuzal (recuperação de áreas, plantio comercial para colmos, paisagismo), o planejamento das ações e o manejo adequado das touceiras após seu estabelecimento, principalmente por meio de técnicas de contenção do espalhamento dos rizomas.

Crédito Shutterstock

Crédito Shutterstock

Necessidades e cultivo do bambu

O bambu é também uma planta versátil quanto às necessidades para seu crescimento, e pode muito bem sobreviver em solos marginais e ainda produzir consideráveis quantidades de biomassa. Basicamente, luz solar, temperaturas entre 8,5 e 40°C e um suprimento adequado de água são o suficiente para o desenvolvimento do bambu e o lançamento de novos colmos.

Em áreas abertas, com chuvas abundantes, um bambuzal pode crescer rapidamente e dominar a paisagem, mesmo em solos de pouca fertilidade. Em períodos extensos de seca, o bambuzal perde suas folhas para sobreviver à falta d’água, resistindo a diversos estresses no campo.

No entanto, climas quentes (tropical a subtropical), com boa distribuição de chuvas, solos mais arenosos, férteis e bem drenados, com pH entre 5 e 6 (apesar de sobreviver em pH de 4,5 a 7,5), altitude e latitude até 3.800 metros e 40°, respectivamente, são as condições mais adequadas para que o bambuzal cresça vigorosamente. O bambu, apesar de sobreviver em condições limitadas, também é bastante responsivo a tratos culturais como correção e fertilização do solo, controle de plantas infestantes e à irrigação.

 

Essa é parte da matéria de capa da revista Campo & Negócios Floresta, edição de maio/junho 2017. Adquira a sua para leitura completa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *