Agrotêxtil é alternativa para produção protegida de repolhos

Antonia Mirian Nogueira de Moura Guerra

Professora de Olericultura da Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB campus Barra)

mirianagronoma@hotmail.com

 

 Fotos Antônia Guerra

Fotos Antônia Guerra

O repolho (Brassica oleraceavar. capitata), integrante da família das Brássicas, é considerado o representante mais importante dessa família devido, principalmente à sua ampla aclimatização e distribuição nas variadas regiões do mundo, ao baixo custo e facilidade de produção, além da excelente composição nutritiva, versatilidade de consumo e diversas propriedades terapêuticas.

Para a comercialização, a cabeça do repolho deve ser firme, pesada e livre de danos causados por insetos e por manuseio inadequado.

O sistema de cultivo mais empregado pelos produtores de repolho é o tradicional a campo aberto, em fileiras simples, nos espaçamentos de 0,7 – 0,8 x 0,3 – 0,6 m, ou fileiras duplas 0,8×0,3×0,3m. Nesse tipo, é comum A elevada incidência das principais pragas do repolho, como traça das brássicas(Plutellaxylostella), curuquerê-da-couve (Asciamonusteorseis), Broca-da-couve (Hellulaphidileali), lagarta-mede-palmo (Trichoplusianii), Pulgão-da-couve (Brevicorynebrassicae) e Pulgão (Myzuspersicae), que comprometem o desenvolvimento da planta, e em alguns casos podem levar à completa perda da lavoura.

É necessária a contínua atenção do produtor quanto ao monitoramento e surgimento de algum desses organismos e um intenso manejo.

Sob proteção

O cultivo de repolho em ambiente protegido é uma realidade pouco comum entre os produtores desta brássica, devido principalmente aos incrementos no custo de produção.

O cultivo em ambiente protegido permite continuidade de exploração ao longo do ano, proteção às intempéries climáticas e oferta de um produto de melhor qualidade visual.

Alternativa ao ambiente protegido tradicional de estufas, túneis altos ou baixo com arco e cobertura de plástico polietileno de alta ou baixa densidade, tem ganhado destaque as mantas agrotêxteis. Trata-se de um tecido que funciona como uma barreira de proteção ao ataque de insetos e patógenos causadores de doenças, reduzindo o número de pulverizações.

A manta não impede que o fluxo de radiação fotossintética alcance as folhas, reduz a perda de água do solo via evaporação por criar uma barreira que impede a perda de água e cria um microclima interno, aumentando o intervalo entre os turnos de rega e mantendo o solo com mais umidade e disponibilidade de água às plantas.

Lavoura de repolho com manta agrotêxtil - Fotos Antônia Guerra

Lavoura de repolho com manta agrotêxtil – Fotos Antônia Guerra

Resultados consolidados

A manta Agrotêxtil já é uma técnica consolidada nas regiões produtoras de melão no nordeste brasileiro, com intuito de amenizar os ataques de insetos, principalmente, da mosca-branca, o principal transmissor de viroses para a cultura do meloeiro.

Os produtores relatam reduções no número de aplicações de inseticidas para o controle de mosca-branca e mosca-minadora das folhas, reduzindo os custos de produção, além de assegurar um fruto de qualidade, com menor carga de produtos químicos.

Com o objetivo de produzir de forma mais sustentável,utilizando menor quantidade de inseticidas na lavoura de repolho, os irmãos produtores de repolho, Gilmárioe GilcélioPimenta, da cidade de Lapão (BA) têm adotado em sua propriedade o uso de manta Agrotêxtil recobrindo as plantas durante todo o ciclo da cultura, sendo retirado apenas no momento da colheita.

Com esse manejo reduz o uso de defensivos - Fotos Antônia Guerra

Com esse manejo reduz o uso de defensivos – Fotos Antônia Guerra

Manejo

O manejo adotado pelos produtores consiste no cultivo sobre canteiros de 1,6 m de largura com quatro linhas de plantas dispostas em arranjo espacial triangular (0,5 x 0,5 x 0,5m), 2,0 m de distância entre os canteiros, para permitir a movimentação com a manta, irrigação via gotejamento e as adubações de cobertura via fertirrigação.

Foram exploradas mudas da cultivar Nagatus com uma densidade populacional de 20.500 plantas/ha. Os produtores relatam que no momento do preparo do solo realizaram aplicações de inseticidas e herbicidas com a finalidade de controle das pragas e plantas daninhas, em seguida realizaram o transplantio e a cobertura dos canteiros com a manta agrotêxtil.

O ciclo durou 100 dias entre o transplantio e a colheita, e não foi realizada nenhuma aplicação de inseticida para controle de pragas, pois não foi constatada a presença de nenhuma das pragas comuns do repolho.

Foram obtidos repolhos com diâmetro médio de cabeças de 21 cm e peso médio de 2,0 kg, com produtividade média de 41 t/ha.Os irmãos Pimenta estão muito satisfeitos e otimistas com a tecnologia da manta agrotêxtil na produção de repolhos, e já estão preparando a nova área que será explorada, com ampliação de três para cinco hectares.

Os produtores relataram que, além do benefício financeiro obtido com o uso da manta, ficaram muito entusiasmados em saber que estão produzindo alimentos saudáveis e contribuindo para a sustentabilidade e equilíbrio do agroecossistema com menor consumo de inseticidas.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de julho de 2018 da Revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira o seu exemplar para leitura completa.

Ou assine

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *