Adubação verde – A nutrição equilibrada que seu cafezal merece

Júlio César Dias Chaves

Pesquisador do Instituto Agronômico do Paraná – IAPAR e Bolsista do Consórcio Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento do Café – CBP&D-Café

jchaves@iapar.br

Denilson Fantin

Técnico em Agropecuária do IAPAR

defantin@iapar.br

 

-Crédito-Lúcio-Martins-Neto

-Crédito-Lúcio-Martins-Neto

A prática de enterrar no solo o tecido vegetal verde não decomposto é conhecida como adubação verde (BUCKMAN & BRADY, 1968). Segundo os mesmos autores, desde tempos imemoriais tem se constituído prática agrícola a incorporação ao solo das culturas verdes, para melhorar as condições da terra.

Atualmente, afirma-se que a prática da adubação verde consiste no aproveitamento de plantas cultivadas ou crescidas espontaneamente no próprio local, ou seja, na entrelinha do cafeeiro ou importadas de outras áreas, cuja biomassa é deixada preferencialmente na superfície do solo, com a finalidade de preservar e/ou melhorar a fertilidade das terras agrícolas.

As leguminosas são as plantas preferencialmente utilizadas na adubação verde (RICCI et al., 2002; MOURA et al., 2005), por suas características de grandes produtoras de biomassa, apresentar sistemas radiculares bem ramificados e profundos, serem ricas em compostosorgânicos nitrogenados e capazes de fixar o nitrogênio atmosférico por meio da simbiose com as bactérias do gênero Rhizobium.

Vale acrescentar que outras famílias de plantas também podem exercer este papel, como as gramíneas, crucíferas, etc. No entanto, há necessidade de avaliação quanto a sua adaptabilidade em lavouras cafeeiras.

Crédito Shutterstock

Crédito Shutterstock

Nitrogênio

É preciso recordar que na adubação verde, além do nutriente efetivamente acrescido ao solo, que é o nitrogênio, também o carbono (C), como nutriente orgânico, é adicionado, ambos, respectivamente, por meio da fixação simbiótica entre as plantas/raízes (leguminosas) com as bactérias fixadoras que se encontram no solo e a fotossíntese.

Os demais, como o potássio, cálcio, magnésio, etc. são absorvidos do solo pelas raízes do adubo verde e são aplicados na superfície quando a leguminosa é cortada (manejada), deixando-os, após a mineralização/decomposição da biomassa, à disposição das raízes do cafeeiro. Neste caso, ocorre apenas a mobilização dos nutrientes das camadas mais profundas para a camada superficial do solo (reciclagem) (ESPÍNDOLA, 2005).

De qualquer maneira, fica entendido que a adubação verde ajuda o produtor a suprir parte da necessidade de nitrogênio, diminuindo a dependência de fertilizante nitrogenado mineral, com economia para o cafeicultor e também contribui para melhorar o teor de matéria orgânica do solo.

Adubação verde com crotalária, antecedendo o cafeeiro - Crédito Claudinei Kappes

Adubação verde com crotalária, antecedendo o cafeeiro – Crédito Claudinei Kappes

Benefícios

As plantas de cobertura (adubação verde) apresentam três aptidões fundamentais:

Cobrir o solo: algumas leguminosas, gramíneas, crucíferas, etc. exercem este papel com competência, devido à capacidade de cobertura, por formarem um manto denso em contato com o solo que serve como barreira, impedindo que a água das chuvas ganhe volume e velocidade e movimente-se livremente na superfície do solo, reduzindo, dessa forma, seu potencial erosivo. A cobertura do solo funciona, também, como um isolante térmico, diminuindo a temperatura máxima do solo;

Suprir de nitrogênio e outros nutrientes: as plantas da família das leguminosas geralmente são ricas em compostos orgânicos nitrogenados, devido à capacidade de realizarem a fixação do nitrogênio atmosférico (N2), por meio da simbiose com bactérias do gênero Rhizobium.

O nitrogênio incorporado na massa vegetal do adubo verde passa para o solo durante o processo de decomposição, ficando à disposição das raízes do cafeeiro na forma de nitrato (NO3), sendo, portanto, uma boa alternativa para aumentar o nitrogênio nos sistemas orgânicos (BRENES, 2003).

O carbono orgânico, também incorporado nos tecidos do adubo vede por meio da fotossíntese, contribui para enriquecer o solo em matéria orgânica, produzindo todos os benefícios já conhecidos na química, física e biologia do solo.

 Em relação aos outros nutrientes, não ocorre a adição ao solo, mas apenas a reciclagem da camada mais profunda do solo para a superfície. Este processo pode trazer uma consequência danosa, caso o solo não seja adequadamente manejado.

Explicando: os nutrientes da subsuperfície, principalmente K+, Ca2+ e Mg2+ são absorvidos pelas raízes do adubo verde e incorporados em sua biomassa aérea e radicular. Ao ser manejado, toda a biomassa do adubo verde fica depositada na superfície do solo que, ao se decompor, libera os nutrientes exatamente no mesmo local (superfície do solo) e, portanto, muito mais sujeitos aos efeitos danosos da erosão hídrica.

Adubação verde com labe labe - Crédito Elaine Wurtke

Adubação verde com labe labe – Crédito Elaine Wurtke

Melhorar a fertilidade do solo: as leguminosas são as plantas preferencialmente utilizadas, pelas suas características de crescimento rápido, por serem grandes produtoras de biomassa e por possuírem sistemas radiculares bem ramificados e profundos. Tais plantas são capazes de modificar a reação do solo (pH), de reduzir o teor de alumínio trocável (Al+++) e de aumentar a capacidade de troca catiônica efetiva (CTCe).

Além dos benefícios na química do solo, também podem contribuir para a maior infiltração e armazenamento de água no solo, através do aumento do tamanho dos agregados e pela maior estabilidade dos agregados do solo (IEA).

Estas características garantem às leguminosas a capacidade de produzir efeitos benéficos às explorações econômicas, num período mais curto. Em se tratando da melhoria da matéria orgânica, possivelmente as gramíneas terão a preferência, visto se tratar de plantas que apresentam relações carbono e nitrogênio (C/N) e teores de lignina mais amplos, o que as credencia a produzir efeitos mais consistentes a médio e longo prazos.

 

As leguminosas são as plantas preferencialmente utilizadas na adubação verde - Crédito Shutterstock

As leguminosas são as plantas preferencialmente utilizadas na adubação verde – Crédito Shutterstock

Essa é parte da matéria de capa da revista Campo & Negócios Grãos, edição de março 2017. Adquira a sua para leitura completa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *